Setor de máquinas agrícolas teme falta de recursos

0
275

A Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq) estima que o governo federal precisará suplementar em cerca de R$ 3 bilhões o valor disponível para o Moderfrota, programa de financiamento para aquisição de máquinas agrícolas. A demanda por esta linha de crédito nos primeiros quatro meses do Plano Safra 2018/2019, de julho a outubro, indica que os recursos existentes se esgotarão em março. Só que o ano-safra encerra-se apenas em junho de 2019.

Na semana passada, o presidente da Abimaq, João Carlos Marchesan, esteve com o presidente Michel Temer e com a futura ministra da Agricultura, Tereza Cristina, e apresentou os números que demonstram a insuficiência dos valores. Solicitou que os recursos de outras linhas sejam remanejados.

No atual Plano Safra, foram disponibilizados R$ 8,9 bilhões para o Moderfrota. De julho a outubro, foram desembolsados 46% deste valor, 62% a mais do que no mesmo período do ano anterior. “Agora resta metade dos recursos para os próximos oito meses”, observa Marchesan.

Reforçando pedido

O presidente do Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Rio Grande do Sul (Simers), Claudio Bier, diz que na próxima semana irá a Brasília para se reunir com Tereza Cristina e reforçar o pedido. “O setor que vem segurando a balança comercial brasileira não pode frear”, disse Bier.

A preocupação, segundo Marchesan, é que, se for confirmada a carência de crédito, as vendas de máquinas podem retrair, o que não seria nada bom para um setor que vem em recuperação. Segundo o dirigente, a Abimaq espera fechar 2018 com crescimento na faixa dos 15%. “O agronegócio está investindo, renovando seu parque de máquinas, e não podemos perder este momento”, afirma.

Para 2019, a Abimaq acredita que será possível crescer novamente na ordem de 15%, mas para isso precisa se beneficiar de um conjunto de fatores: commodities e câmbio valorizados, clima colaborando e ter oferta de crédito durante as grandes feiras do agronegócio, como a Show Rural Coopavel, em Cascavel (PR), em fevereiro; a Expodireto Cotrijal, em Não-Me-Toque (RS), em março, e a Tecnoshow, em Rio Verde (GO), em abril.

O secretário de Política Agrícola do Mapa, Wilson Vaz de Araújo, afirma que, assim como em todos os anos, o Mapa vem monitorando o desempenho dos programas e, caso apareçam sinais de que os recursos serão usados na integralidade, haverá realocação de valores de programas que não tiverem o resultado esperado. “Entendemos que neste ano a demanda está mais forte pelo Moderfrota, há um ambiente de confiança maior para investir, mas neste momento existem recursos”, comenta.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui