Jogo contra o River Plate mexe demais comigo, reconhece D’Alessandro

0
144

D’Alessandro tem o coração dividido. De um lado, o Inter, clube em que chegou em 2008 e logo se tornou referência e ídolo. Conquistou Libertadores, Sul-Americana, Recopa e vários estaduais. Do outro, o River Plate. O atual campeão da América foi onde o argentino iniciou sua carreira como profissional e ele nunca escondeu o amor e carinho que sente pelo River. D’Ale foi recrutado para atuar pelo clube argentino aos 9 anos. Foi destaque das categorias de base e gandula em jogos no Monumental de Nuñez. Estreou pelo time principal com 20 anos, em 2000. Saiu em 2003 para girar sem muito destaque pela Europa.

Na noite desta quarta-feira, às 19h15min, no Beira-Rio, Inter e River se enfrentarão pela terceira rodada da fase de grupos da Libertadores. Em razão deste apreço pelo tetracampeão da Libertadores, o craque colorado declarou que, caso marque algum gol, não irá comemorar. “Quero dizer que se fosse o contrário, jogando pelo River e se marcasse contra o Inter, também não celebraria”. Emocionado, deixou claro que a partida mexe emocionalmente com ele. “Mexe demais. Eu vou dentro do possível me manter concentrado no jogo”, reconheceu.

A escalação do ídolo ainda é um mistério. Recuperado de uma lesão na coxa, o argentino disse que está à disposição do técnico Odair Hellmann para ajudar. A expectativa é de que ele saia jogando na vaga do William Pottker, machucado. Questionado se ele passou mais detalhes do clube argentino, D’Ale destacou que a comissão técnica vem acompanhando o River há muito tempo, mas, que, se precisarem, sim daria detalhes de jogadores e esquema.

Com mais de 340 jogos, mais de 75 gols com a camisa colorada, D’Alessandro é enfático ao dizer que River e Inter são os dois times que o transformaram no atleta que é hoje. “São fundamentais na minha vida profissional e pessoal e são tão parecidos. Ambos possuem estádios circulares, estádios que ficam na beira do rio, sem falar, claro nas cores. Teve um ano que o Inter até utilizou uma camisa branca com a faixa vermelha igual à camisa do River. São realmente dois clubes muito parecidos, têm torcidas fantásticas e muitos títulos.”

2016

No ano em que o Inter caiu para a Série B, o argentino estava longe. D’Alessandro voltou ao River por empréstimo. Lá, foi campeão da Recopa e da Copa Argentina. Na entrevista desta terça, ele relembrou a passagem pelo time argentino. “Profissionalmente foi um ano espetacular, depois de tanto tempo longe do River poder ter voltado a jogar lá e ter sido campeão. Mas, por outro lado, fiquei muito triste pelo momento delicado do Inter, de ter caído para a Série B, o momento mais triste da história do clube.”

Confiança na vitória

Para o meia colorado, o River Plate, independente de ter perdido jogadores segue como o melhor time da América. Por isso, destaca que uma vitória do Inter é importantíssima para o grupo colorado crescer mais ainda mentalmente. “Temos total capacidade de vencer o River. Confio no nosso grupo, na força do Beira-Rio para fazermos um grande jogo”. Perguntando se uma vitória colorada credenciaria o time a ser um dos candidatos ao título desta Libertadores, D’Ale fez questão de deixar claro que ainda é muito cedo falar em título. ” A Libertadores são dois torneios em um só. Primeiro é classificar, da forma que for, e depois tem o mata-mata. Aí lá na frente pode-se falar em chance de título”.

RESPONDER

Por favor digite um comentário
Preencha seu nome