Estado tem 1,6 milhão de pessoas aptas a receber a renda mínima emergencial

0
22
erca de 40% dos beneficiários do programa federal no Estado são trabalhadores informais (Foto: Diones Roberto Becker)

Diante dos impactos do coronavírus (Covid-19) na atividade econômica e na renda das famílias, o Rio Grande do Sul concentra cerca de 1,6 milhão de pessoas entre os beneficiários potenciais para receber o auxílio emergencial instituído pelo Governo Federal. Esse universo mais afetado pela pandemia representa 14,8% da população gaúcha, em que a ampla maioria (90%) compõe a metade mais pobre dos habitantes do Estado.

Essa realidade está retratada no mais recente estudo divulgado pela Secretaria Estadual de Planejamento, Orçamento e Gestão (SEPLAG) sobre os reflexos do avanço do coronavírus na economia e sobre a capacidade do programa da União de atenuar a crise. A ajuda prevê repasses mensais de R$ 600,00 aos beneficiários, podendo chegar a R$ 1,2 mil em alguns casos, dependendo das condições da pessoa.

Desenvolvido no âmbito do Comitê de Dados da SEPLAG, o trabalho estabeleceu um perfil bastante detalhado sobre a população apta a participar do auxílio emergencial (1,68 milhão de pessoas). Cerca de 40% dos beneficiários são de informais, entre eles, empregadores sem CNPJ, os que trabalham por conta própria também sem registro e domésticos. Perto de 500 mil gaúchos que poderiam receber a ajuda estão fora da força de trabalho. Outro aspecto que o estudo revelou aponta que entre os mais vulneráveis diante da pandemia existem mais de 85 mil mães solteiras.

Em paralelo ao auxílio emergencial do Governo Federal, o Executivo estuda possíveis fontes de investimento para elaborar um programa estadual de transferência emergencial de renda. – Queremos ajudar as famílias mais carentes, especialmente, quando a ajuda federal deixar de existir – explicou o governador Eduardo Leite.

Cenários:

O percentual da população gaúcha elegível ao programa de Renda Mínima Temporária, do Governo Federal, é um dos menores do país. Em alguns estados, esse cenário afeta 37% dos habitantes, como é o caso de Pará e Maranhão. Mesmo assim, a pesquisa coordenada pela economista Vanessa Neumann Sulzbach, do Departamento de Economia e Estatística (DEE), mostra que as perdas da renda dos gaúchos são preocupantes: podem chegar a R$ 9,1 bilhões ao mês no cenário mais alarmante.

Se todas as pessoas impactadas recebessem o auxílio nesses meses, a injeção de renda na economia seria ao redor de R$ 1,1 bilhão/mês. Mesmo considerando esse alívio, o impacto da crise no Rio Grande do Sul pode variar entre 0,3% a 1,4% de perdas no Valor Adicionado Bruto (VAB) para cada mês de duração da crise.

O trabalho avaliou quatro cenários considerando a crise do Covid-19 e o quanto o programa federal pode atenuar seus efeitos sobre a economia do Estado. Nas projeções mais otimistas, o impacto do auxílio emergencial irá mitigar cerca de 35% das perdas de renda dos gaúchos, ao passo que no cenário oposto essa capacidade de alívio sobre o VAB ficaria limitada a 11,7%.

Uma das principais conclusões da pesquisa aponta que, de maneira geral, aproximadamente 72% dos gaúchos estão sujeitos a alguma perda de renda durante a crise, mas apenas 15% são elegíveis à renda mínima emergencial.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui