Entrevista com Clairton Carboni – Prefeito Municipal de Tenente Portela

0
326

“Esperamos que a comunidade se conscientize e entenda a necessidade de ficar em casa neste momento.”

POR: JÚLIO SANTOS

O prefeito municipal de Tenente Portela, Clairton Carboni, em entrevista concedida ao Folha Popular na quinta-feira, 26, em seu gabinete, falou sobre os decretos já publicados pela administração municipal na semana passada, para conter a disseminação do novo coronavírus, e sobre o novo decreto, publicado na quarta-feira, 25, que autoriza o funcionamento, em regime de plantão, de algumas atividades do comércio e de serviços. Carboni também pediu para a população se conscientizar da necessidade de ficar em casa, “porque é a única forma de não contrair e não espalhar o vírus”.

Folha Popular – A administração já publicou decretos na semana anterior para conter a disseminação do novo coronavírus. Do que trata o novo decreto?

Clairton Carboni – É verdade! Emitimos o terceiro decreto no dia 25 de março, de número 82, que lista várias considerações e determinações sobre ações que devem ser tomadas pela nossa comunidade e pelos nossos empresários, em função do coronavírus.
Esse novo decreto autoriza, em regime de plantão, o funcionamento de serviços de manutenção, de reparos ou de consertos de veículos, de pneumáticos, de elevadores, produção, distribuição e comercialização de equipamentos, de peças e de acessórios e de outros equipamentos essenciais ao transporte, à segurança e à saúde. Também a produção, a industrialização e o transporte de alimentos e de produtos de higiene, a produção, distribuição e comercialização de equipamentos, de peças e de acessórios e manutenção de refrigeração.

FP – Os decretos emitidos até agora foram elaborados com base em alguma recomendação específica ou seguindo as orientações dos órgãos de saúde nacionais e internacionais?

Carboni – As orientações e determinações dos decretos foram elaboradas de acordo com aquilo que a Organização Mundial da Saúde, o Ministério da Saúde, a Secretaria Estadual da Saúde e o Comitê Gestor do município têm nos informado. E também observando o parecer do nosso Departamento Jurídico. Nós temos um comitê gestor do vírus e um comitê de crise, que faz as análises e levantamentos daquilo que está acontecendo dia a dia. O município se baseia também nos decretos dos governos federal e estadual, que repassam para a comunidade o que pode e o que não pode ser feito, o comércio que pode ser aberto e quais os setores que podem e devem estar em funcionamento. Não é o prefeito que está tomando a decisão. O prefeito é orientado por uma equipe e é o gestor que encaminha as decisões, mas sempre embasadas em informações e dados técnicos. Sabemos que às vezes tomamos decisões mais por precaução, mas nunca por omissão. Esperamos que a comunidade entenda. Estamos cientes das dificuldades pelas quais o município e o comércio passam. É difícil tomar decisões, mas temos que tomar. Sabemos que é complicado manter o comércio fechado. Todos vamos perder, não vai ter renda, receita, e os prestadores de serviço, do dia a dia, sabemos como ficarão. Estamos muito preocupados com isso. O município vai sofrer as penalidades com a recessão que vai ocorrer, vai cair a receita e vamos deixar de fazer muitas ações, mas agora precisamos agir assim.

FP – Como a administração avalia o avanço da disseminação do vírus?

Carboni – Neste primeiro momento estamos pensando em uma ação pública, que é a da saúde das pessoas. Estamos obedecendo e seguindo orientações daquelas pessoas que têm um conhecimento mais global, com informações mais detalhadas sobre o avanço desse vírus no mundo e no país. Esperamos que a comunidade entenda. Nós sabemos da divergência de ideias e de opiniões, mas a gente tem que seguir as orientações que nos dão suporte para que as medidas sejam tomadas.

FP – A Associação Comercial e Industrial (ACI) do município está enfrentando esta crise junto com a administração. Sobre o fechamento do comércio existem muitas opiniões divergentes entre os associados. O que o senhor tem a dizer aos comerciantes, sabendo que o quadro da crise muda muito rápido?

Carboni – Sabemos que os associados da ACI, que representam o nosso comércio, têm opiniões que divergem, mas nós temos que definir orientações que são elaboradas em conjunto. Trabalhamos com os 21 municípios da Região Celeiro, que também caminham no mesmo sentido, sempre buscando entendimento. Todos os municípios estão seguindo as mesmas recomendações da Organização Mundial da Saúde, do Ministério da Saúde e da Secretaria da Saúde, baseando-se, sempre, nos decretos federais e estaduais. É importante que os associados entendam que todos os municípios da Amuceleiro estão enfrentando esta crise da mesma forma. Não é um prefeito só, são todos em defesa da saúde da população.

FP – Amanhã, sexta-feira, será realizada uma videoconferência com o governador Eduardo Leite, os presidentes das 27 associações regionais do Estado e o presidente da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs), que é prefeito de Palmeira das Missões, Eduardo Freire, e as assessorias jurídicas das instituições. Qual será o tema da reunião?

Carboni – Primeiramente o governador falará com os presidentes das associações e o da Famurs para tomarem medidas que nortearão a audioconferência, que ocorrerá às 14h, com os prefeitos da Região Celeiro e o presidente da Famurs. Falaremos sobre medidas de prevenção e quais decisões os municípios deverão tomar para enfrentar a crise do coronavírus. A proposta da Famurs é de que seja editado decreto único para o Estado e municípios. Assim, todos os municípios terão um só decreto para reger as medidas de prevenção e combate à Covid-19. Provavelmente novas informações virão e novas decisões serão tomadas. Até o momento continuamos com as considerações dos decretos já editados.

FP – Sobre o isolamento e a necessidade da população ficar em casa, qual a sua orientação?

Carboni – Esperamos que a comunidade se conscientize e entenda a necessidade de ficar em casa neste momento. Sair só para o necessário, compras de alimentação e remédios. As pessoas idosas e as que estão nos grupos de risco não devem sair. Peçam para familiares jovens fazerem as compras. Assim, nós evitamos que o vírus se propague. O único remédio que temos hoje para não pegar o vírus é ficar em casa. Isolamento social é necessário. Fiquem em casa o máximo possível e, quando saírem, evitem aglomerações e distanciem-se das pessoas.

FP – Estão sendo divulgadas muitas informações desencontradas pela imprensa. Preocupa a administração que as pessoas não tenham acesso às informações corretas?

Carboni – Sim, muito, pois pode prejudicar o trabalho de prevenção e contenção ao vírus, que a equipe do município está realizando. Esperamos que as pessoas tenham serenidade e discernimento para interpretar, saber o que é verdadeiro e o que é falso. Muitas fake news estão sendo lançadas nas mídias sociais. Buscar informações corretas, de órgãos confiáveis, para não ser iludido é sempre o melhor caminho. Quanto mais informações corretas, mais entendimento.

FP – Como estão os preparativos para enfrentar o vírus, se ele bater na nossa porta?

Carboni – Vamos nos preparar juntos para enfrentar esta batalha. Não sabemos ainda como vai acontecer. Tomara que não venha para cá, mas se vier temos que enfrentar. A Secretaria Municipal de Saúde e Meio Ambiente está desempenhando um bom trabalho de prevenção. Trabalha dia e noite. A Secretaria de Serviços Urbanos também está se empenhando, higienizando ruas e calçadas em locais que têm maior circulação de pessoas.
Nossas equipes médica, de farmacêuticos e técnicos de todas as secretarias estão empenhadas em ajudar e fiscalizar para que tudo ocorra da melhor forma possível.
Comunidade portelense, estamos juntos para enfrentar esta pandemia! Temos que trabalhar unidos e com um propósito agora, que é o de conter este vírus. Vamos ter calma e aguardar novas determinações e novas medidas, caso seja necessário.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui