Câncer de mama: prevenção é o caminho

0
87

O mês de outubro chegou e com ele se apresentam inúmeras atividades voltadas à conscientização para a prevenção ao câncer de mama. Instituições em todo o país promovem ações para o combate à doença, que acomete, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 59,7 mil mulheres ao ano. É o tipo de câncer que mais atinge as mulheres no Brasil.

Para reduzir essas estatísticas, especialistas enfatizam a importância do diagnóstico precoce e a realização da mamografia. E quanto mais cedo houver o diagnóstico, maiores são as chances de cura. “O único método para diagnóstico para câncer de mama é a mamografia. A mamografia é salvadora, quando eu não uso o rastreamento mamográfico, tenho 80% de doença avançada. Quando uso, tenho 80% de câncer diagnosticado, ou seja, tenho diagnóstico precoce, se não uso a mamografia, tenho diagnóstico tardio. Não existe nenhum outro exame de imagem que faça diagnóstico de câncer de mama. Na ausência de mamografia, por exemplo, o exame do médico vai diagnosticar tumores próximos a 1 cm, ou seja, sem a mamografia, um bom médico, treinado, vai achar um nódulo por volta de 1, 2 cm, é um nódulo grande, não é o ideal, mas é melhor do que nada”, explicou o presidente da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) em São Paulo, João Bosco.

O médico destacou que o diagnóstico do câncer de mama melhorou muito no Brasil com o treinamento de profissionais. “A Sociedade Brasileira de Mastologia já tem mais de meio século no Brasil e coordena a formação, as atividades e as políticas que possam melhorar o diagnóstico precoce do câncer de mama. É fundamental a atividade de uma sociedade como a nossa, para que possamos, em um país continental como o nosso, ter ações, protocolos, condutas estabelecidas igualmente”, avaliou.

A técnica e tecnóloga em Radiologia Médica do Senac Saúde, Marta Campos Miller, também enfatiza que os profissionais das técnicas radiológicas façam o trabalho de prevenção e detecção precoce do câncer de mama por meio da mamografia. Ela lembrou que o Inca recomenda a mamografia a cada 1 ou 2 anos para as mulheres acima de 50 anos. Já o Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR), assim como a SBM, recomenda iniciar aos 40 anos, com periodicidade anual. “Como ainda existe muita desinformação sobre o exame, é importante esclarecer alguns dados. Um exemplo, as pessoas perguntam se a mamografia aumenta o risco do câncer de tireoide. Isso é um mito. Segundo a Comissão Nacional de Mamografia formada pelo CBR e a Sociedade Brasileira de Mastologia, ‘a dose de radiação para a tireoide durante o exame é extremamente baixa: menor que 1% da dose recebida pela mama. Isto é equivalente a 30 minutos de exposição à radiação recebida a partir de fontes naturais como o sol’”, explicou. Marta também lembrou que mulheres que têm prótese de silicone podem realizar a mamografia sem impedimento.

Além do exame, profissionais também salientam o estilo de vida saudável como um aliado para a prevenção. Um estudo promovido por pesquisadores da Universidade Federal de Goiás, em parceria com a SBM, detectou que as mulheres com diagnóstico de câncer de mama, independente se estavam menstruando ou na pós-menopausa eram, em sua maioria, sedentárias, ou seja, não praticavam atividade física regular no momento de lazer. Também consumiam mais cigarros e bebidas alcoólicas do que as mulheres sem o diagnóstico, observou o coordenador do estudo e presidente do Conselho Deliberativo da SBM, Ruffo de Freitas Junior.

A pesquisa mostrou ainda que, na pré-menopausa, a adiposidade abdominal elevada, ou seja, uma circunferência da cintura maior que 88 centímetros, triplicou o risco para o câncer de mama. “Como sabemos que apenas 10% do câncer de mama são de causas hereditárias, identificar os fatores que podem ser alterados é uma importante forma de prevenção primária da doença”, afirmou Ruffo de Freitas Junior.

Para o médico, o resultado deixou clara a necessidade de focar os esforços para alterar esses comportamentos. “Precisamos ajudar as mulheres a melhorarem sua qualidade de vida incluindo no seu dia a dia hábitos saudáveis”, sugeriu.

Hábitos para uma rotina saudável
– Alimente-se bem e não fique muito tempo sem comer, ou seja, prefira comer em pequenas quantidades, sempre priorizando os alimentos naturais e evitando os industrializados.
– Evite o excesso de gorduras e carboidratos simples, como açúcar adicionado aos alimentos, doces, sucos de caixinha ou saquinho, refrigerantes, pão branco, macarrão, sempre preferindo as opções integrais.
– Procure ingerir frutas, legumes e verduras. São fontes de vitaminas e minerais essenciais e ricos em fibras que ajudam na saciedade e no funcionamento adequado do intestino.
– Faça exercícios físicos durante a semana. O ideal são 150 minutos de exercícios físicos moderados divididos entre os cinco dias ou 75 minutos de exercícios vigorosos divididos entre os cinco dias.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui