Filme e séries para entender a crise no Afeganistão

0
717
Milhares de pessoas tentam fugir do Afeganistão desde que o movimento islamita radical assumiu o país | Foto: AFP

Obras fictícias retratam a realidade das mulheres sob o regime teocrático do Talibã

As imagens e vídeos de afegãos tentando fugir do país, que circulam nos últimos dias, podem ser consideradas assustadoras. A volta do Talibã ao poder no Afeganistão, após 20 anos, despertou medo e insegurança em toda a população. Mais ainda nas mulheres, que estão com seus direitos sociais e econômicos ameaçados – o Talibã interpreta de maneira radical e severa a lei islâmica, o que impõe diversas restrições.

Mas como entender o que acontece no Afeganistão?
Esta pergunta foi a motivação de diversas obras de ficção. Para quem quer usar a arte a favor do conhecimento, separamos alguns filmes e séries sobre o assunto, que ajudam a refletir sobre essa realidade, principalmente sob a perspectiva das mulheres:

O Califado
A série retrata o dia a dia das mulheres que vivem numa região dominada pelo Estado Islâmico – e assim como o Talibã, é teocrático e restringe os direitos das mulheres. A história é contada através da personagem Pervin, uma mãe jovem que se radicou no Oriente Médio desde que se casou com um membro do Estado Islâmico.

Filhas do Sol
O filme, que é inspirado em fatos reais, traz uma outra perspectiva da vida dominada pelo Estado Islâmico: a história acompanha a rotina das guerrilheiras curdas Rojava, um grupo formado por mulheres que se preparam para atacar uma das principais bases do Estado Islâmico.

O Conto da Aia
A série foi inspirada no livro da autora Margaret Atwood, que escreveu a obra após uma viagem ao Afeganistão, em que foi obrigada a usar um lenço que cobria o seu cabelo. A história gira em torno de um golpe do grupo político teocrático Gilead nos Estados Unidos, impondo o seu regime. Com isso, as mulheres têm seus direitos totalmente restritos, sem poder trabalhar e estudar, tendo sua “função” reduzida à reprodução.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui