Brasil é finalista nos Prêmios Platino 2021

0
619
O filme "Babenco – alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou”, de Bárbara Paz, disputa o troféu de melhor documentário. | Foto: IMOVISION/DIVULGAÇÃO/CP / Fonte: R7

Foram divulgados nesta segunda-feira os nomes dos finalistas dos Prêmios Platino do Cinema Ibero-americano 2021, cujos vencedores serão conhecidos em Madrid no dia 3 de outubro. Os brasileiros competem com Regina Casé, indicada para o prêmio de melhor atriz pelo seu desempenho no longa “Três Verões”, de Sandra Kogut; com o filme “Babenco – alguém tem que ouvir o coração e dizer: parou”, de Bárbara Paz, que disputa o troféu de melhor documentário; e animação “O Pergaminho Vermelho”, de Nelson Botter Jr., que está entre finalistas da categoria.

Os Prêmios Platino do Cinema Ibero-Americano, promovidos, desde 2014, pela EGEDA, (Entidad de Géstion de Derechos de los Productores Audiovisuales), com FIPCA (Federación Iberomamericana de Productores Cinematográficos y Audiovisuales) e com o apoio das Academias e Institutos de Cine Ibero-americanos, destacam as produções e criadores mais importantes a cada no, com 22 premiações e um Prêmio de Honra.

Os campeões de indicações deste ano são o filme colombiano “El Olvido Que Seremos” e o guatemalteco “La Llorona”, que receberam 11 indicações cada. Na categoria minisséries, a espanhola “Patria” lidera com cinco indicações.

Competem como melhor Filme Ibero-americano de Ficção: “El Olvido Que Seremos” (Colômbia), “La Llorona” (Guatemala), “Las Niñas” (Espanha) e “Nuevo Orden” (México). Já na categoria melhor Direção, Fernando Trueba (“El olvido que seremos”), Icíar Bollaín (“La boda de rosa”), Jayro Bustamante (“La llorona”) e Michel Franco (“Nuevo orden”) estão no páreo.

Quem compete com a brasileira Regina Casé prla estatueta de melhor atriz Sao Candela Peña (“La boda de Rosa”), María Mercedes Coroy (“La llorona”), e Regina Casé e Valeria Lois (“Las siamesas”).

O Brasil ficou fora da disputa de Melhor Ator em que os finalistas são Alfredo Castro (“Tengo miedo tolero”), Diego Peretti (“El robo del sigilo”), Javier Cámara (“El olvido que seremos”) e Miguel Ángel Solá (“Crimenes de Familia”).

No universo das minisséries a disputa final ficou entre a mexicana “Alguien tiene que morir”, as espanholas “Antidisturbios” e “Pátria”, e a colombiana “El robo del siglo”. Para melhor Atriz em Minissérie competem Cecilia Suárez (“La casa de las flores”), Elena Irureta (“Pátria”), Inma Cuesta (“El desorden que dejas”) e Marcela Benjumea (“El robo del siglo”). Já como melhor Ator em Minissérie chegaram à final Alejandro Speitzer (“Alguien tiene que morir”, Álvaro Morte (“La casa de papel”), Andrés Parra (“El robo del siglo”) e Eduard Fernández (“30 monedas”).

Estiveram presentes à cerimônia Enrique Cerezo, presidente da EGEDA, Miquel Iceta, ministro da Cultura e Esportes, José Luis Martínez Almeida, prefeito de Madri, Adrián Solar, presidente da FiPCA, entre outras personalidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui